תולדות Toldot – Gerações

Home Fóruns Fórum Yeshua Chai Soando o Shofar תולדות Toldot – Gerações

Este tópico contém 1 resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  sofer 7 anos, 4 meses atrás.

Visualizando 2 posts - 1 até 2 (de 2 do total)
  • Autor
    Posts
  • #24007

    sofer
    Participante

    תולדות
    Toldot – Gerações
    parashá – Genesis 25:19 – 28:9
    Haftará- Malaquias 1:1–2:7
    Brit Hadashá – Romanos 9:1-13
    Leitura para Sábado 26/11/11

    Genesis 25:23 E Adonay disse á ela; No seu ventre há duas nações; você dará à luz dois povos inimigos. Um será mais forte do que o outro, e o mais velho será dominado pelo mais moço.
    O primogênito de Isaque, Esaú, está em paralelo a Ishmael, o primogênito de Abraham.
    O segundo filho de Isaque, Jacó, está em paralelo a Isaque, o primogênito de Abraham, e ao portador futuro das promessas da Aliança.

    Outra vez, há estes princípios e padrão da realidade e da dualidade: tudo tem uma realidade celestial e uma realidade física que existem simultaneamente. Como está escrito no Zohar: Assim como é acima também é abaixo.

    São sombras (copias) das coisas que estão por vir: Colossenses 2.16-17
    Soncino Zohar, Shemot, seção 2, página 143a – Rabi. Jose começou a falar isso sobre as palavras: Os cânticos dos cânticos de Salomão (cc.I:1). Ele disse: Está canção do Rei Salomão foi declamada por ele diante do Templo quando foi erguido em todos os mundos, o de cima e o de baixo, tinha alcançado suas perfeitas finalidades.
    Mas, estas duas nações separadas, Jacó e Esaú, terão uma inimizade uma para com a outra. Este é o significado da frase “o mais velho servirá ao mais novo”.

    Sob o rito patriarcal, o direito e ou o direito de herança são conhecidos como direito de primogenitura. Isto incluiu a herança da terra, assim como a autoridade para seguir com as bênçãos Divinas. O primogênito dos rebanhos e de famílias humanas era considerado como pertencendo a Adonay, e esperado que lhe fosse dedicado.
    Esaú perdeu seu direito de primogenitura para seu irmão Jacó por causa de uma refeição de lentilhas.

    Se um homem tivesse dois filhos, sua propriedade seria dividida em três parcelas, com o filho mais velho. O filho o mais velho recebia também a benção principal do pai.

    A palavra Hebraica para a benção (brachah – lê-se brarrá) carrega a mesma raiz Hebraica da palavra que significa primogenitura e primogênito (bekorah).

    Considere deuteronômio 21:17
    O Pai deverá dar os direitos de primeiro filho ao filho da Mulher de quem gosta menos, pois é o primogênito, e os seus direitos devem ser respeitados; ele receberá duas vezes mais do que os outros
    Estas palavras na Torá proíbem um pai de fazer favoritos dando os direitos de primogenitura a outrem. Baseado neste verso, a continuação legal da linha da família era incluída entre os privilégios do filho primogênito.

    Veja Genesis 25:29 – 34,
    Um dia, quando Jacó estava cozinhando um ensopado, Esaú chegou do campo, muito cansado, e foi dizendo: – Estou morrendo de fome. Por favor, me deixe comer dessa coisa vermelha aí (Por isso pôs em Esaú o nome de Edom. vermelho). Jacó respondeu: – Sim, eu deixo; mas só se você passar para mim os seus direitos de filho mais velho. Esaú disse: – Está bem. Eu estou quase morrendo; que valor tem para mim esses direitos de filho mais velho? – Então jure primeiro – disse Jacó. Esaú fez um juramento e assim passou a Jacó os seus direitos de filho mais velho. Aí Jacó lhe deu pão e o ensopado de lentilhas. Quando Esaú acabou de comer e de beber, levantou-se e foi embora. Foi assim que ele desprezou os seus direitos de filho primogênito.

    Na Cultura hebraica bíblica antiga, muitas das quais os Judeus de hoje praticam é a tradição que se chama estar em Shevah.
    Quando nós lemos cenas na Bíblia como Jacó e Esaú, e o ensopado de lentilha significa que algo fora do ordinário está acontecendo. É incomum que Jacó, com pelo menos 15 anos nesta época, estaria cozinhando?

    Porque as escrituras chamam isto de coisa vermelha ‘ha’adom ha’zê’ e mais tarde é então identificando como lentilhas no verso 34?
    Como isto agrega qualquer coisa ao seu contexto ou ao seu significado? Que diferença faz essa sopa de lentilhas?

    A resposta encontra-se em uma tradição Hebréia bíblica que faz parte de cada família judaica observante nos dias de hoje; esta tradição vem de tempos atrás e é chamada Shevah. É parte dos rituais de luto aos falecidos. Os sábios rabinos antigos dizem que o contexto que ocorre entre Esaú e Jacó é porque que houve uma morte na família. E esse quem morreu era Abraham.

    O guisado de lentilhas ou a sopa de Lentilhas são chamados de “refeição de luto.”
    “A sopa de lentilhas é um alimento tradicional comido durante o período de sete dias de luto e tristeza, chamado” “Sheva”.

    Genesis 25:34,
    Aí Jacó lhe deu pão e o ensopado de lentilhas. Quando Esaú acabou de comer e de beber, levantou-se e foi embora. Foi assim que ele desprezou os seus direitos de filho primogênito.
    Somente em dois lugares nas escrituras um homem é chamado um caçador, (Tzayid). O primeiro homem intitulado como caçador, para identificar o seu caráter era Nimrod; o outro é Esaú.
    Quando a bíblia o usa a palavra Tzayid isto quer dizer que um termo negativo para a pessoa.
    Significa realmente um assassino frio, mata por matar e não pra comer, uma pessoa que mata animais pelo amor da matança, e também tão pouco vai importar na sua consciência em matar um homem por matar, também a palavra Tzayid tem significado de traiçoeiro e criador de armadilhas.

    Esaú “desprezou” seu direito de primogenitura. Não se importou. Não lhe significou nada. Não se importou com a terra de Israel. A aliança de D-us não era importante para ele.
    Ele mesmo nem escondeu o que sentia em relação a estas coisas. Mas tinha um problema o que ele não sabia, é que: Estava se desligando legalmente fisicamente e nas esferas celestiais de todos seus diretos de primogenitura.
    Esaú não apenas capturava animais, mas também enganava as pessoas com sua língua afiada e com suas trapaças.

    Há cinco verbos para descrever ações de Esaú: “E comeu”, “bebeu”, “levantou-se”, “saiu”, e “desprezou seu direito de primogenitura.”.
    Rebeca e Jacob tiveram o conhecimento que Isaque não teve. Se eles compartilharão seu conhecimento um com o outro, é desconhecido.

    A Torá não nos fala sobre isto.
    Considere Hebreus 12:16-17,
    E tome cuidado também para que ninguém se torne imoral ou perca o respeito pelas coisas sagradas, como Esaú, que, por causa de um ensopado de lentinhas, vendeu os seus direitos de primogenitura. Como vocês sabem depois ele quis receber a bênção do seu pai. Mas foi rejeitado porque não encontrou um modo de mudar o que havia feito, embora procurasse fazer isso até mesmo com muitas lágrimas.
    Algumas decisões têm conseqüências permanentes e não podem ser mudadas.
    Esaú comeu a refeição, mas perdeu seu direito de primogenitura. Pode ter pensado que seu pai poderia inverter sua decisão, mas o D-us manteve-o responsável pela sua escolha. Sua escolha tornou-se irreversível. D-us permitiu sua escolha e esta escolha trouxe conseqüências reais em sua vida.

    O Nome ‘Esaú’ – Esav significa cabeludo e é o mesmo que depois é chamado ou apelidado “Edom”, ou seja, vermelho, por haver comido um guisado avermelhado (Genesis 25:30).
    Esaú foi o antepassado dos edomitas e amalequitas.

    O Nome ‘Jacó’ – Ya’akov significa o que segura pelo calcanhar, porém mais tarde Esaú o apelidou de o suplantador (Genesis 27:36)

    Uma Midrash Rabinica

    “E estas são as Toldot (gerações) de Isaac, o filho de Abraham.” “O rabino Rashi explica: quem são essas “gerações”? Ya’acov (Jacó) e Esav (Esaú), sobre quem se fala na Parashá.” Mas isso não é óbvio? Por que o rabino Rashi considerou necessário explicar?
    A explicação padrão é que, na Torá, a palavra Toledot pode ter vários significados. Pode significar “filhos” e “descendentes”, e pode também exprimir “produtos” e “atos” (todos esses são “gerados” por uma pessoa).
    Como a narrativa do nascimento de Ya’acov e Esav não segue imediatamente o versículo inicial da parashá, e como a Parashá de Toledot também descreve eventos e atos da vida de Isaac, pode persistir alguma dúvida quanto à tradução da palavra Toldot neste contexto.
    Portanto, Rashi sente necessidade de nos dizer que, neste caso, refere-se a “Ya’acov (Jacó) e Esav (Esaú) sobre quem se fala na Parashá.”

    Há outro significado implícito no comentário de Rashi. Em um nível mais profundo, o rabino Rashi está levantando a questão: Como pais tão justos e santos como Isaque e Rebeca, num ambiente tão íntegro e puro como era o lar deles, produz um homem perverso e violento como Esaú?
    Afinal, Esaú era gêmeo de Jacó, compartilhando os mesmos genes e a mesma criação. Jacó faz sentido. Mas de onde apareceu Esaú?

    De fato, diz o rabino Rashi, o perverso Esaú não é um “produto” de Isaque e Rebeca, mas um monstro criado por si mesmo. O Esaú da Torá é um homem com grande potencial para o bem – tão grande quanto para o mal ao qual ele permitiu sucumbir-se.

    A Esaú isso diz: Veja aquilo que você poderia ser. Para nós, isso diz:
    Da próxima vez que vir um Esaú, olhe novamente.

    O direito de primogenitura é encontrado também na Brit Hadashah.

    Esta midrash em Lucas 15:11-32, e conhecida grandemente como:
    “O filho Pródigo.” Deveria ser chamada “O amor do pai,”
    O pai também tem dois filhos, com o mais novo querendo sua herança.

    Este parábola torna-se distorcida quando é estudada sem sensibilidade do conhecimento á seu contexto Judaico original. Para compreender este parábola, três perguntas devem ser feitas, e respondido:
    * Que o pai pensou quando seu filho mais novo pediu sua herança?
    * Como deve o irmão mais velho ter respondido à crise da família?
    * Que leis governaram a herança?
    Antes que nós comecemos com a história, vamos sumariar a “lei da herança” que existiu durante a época de Yeshua nosso Messias e Rei, filho do D-us Viv
    * O filho obtém o direito da possessão da herança, que significa que o pai não pode vender a terra em questão.
    * O filho não adquire o direito de vender. Se o filho vender a propriedade, o comprador só pode ter o direito de posse somente na morte do pai.
    * O filho não adquire o uso dela, que permanece na posse irrestrita do pai até sua morte.
    * Para o filho mais novo receber algum valor da terra, teve vender a terra com uma perda considerável porque o comprador tem que esperar até a morte do pai para fazer o requerimento de posse da propriedade.
    * Estas circunstâncias exatas são refletidas nos detalhes desta parábola -Midrash.

    A história trata dos relacionamentos dentro de um círculo de família. Ensina sobre o amor do pai e o relacionamento entre os irmãos. Todos que estavam com Yeshua (Jesus) que ouviram esta história olharam em um espelho.

    Na cultura de Yeshua (Jesus), quando o filho pediu sua herança antes do falecimento do pai, e como se ele pedisse que seu pai morresse. O pai perceberia que seu próprio filho o preferiu morto do que vivo. Isto produziria um sentido forte e chocante e tristeza nas pessoas que estavam escutando esta parábola de Yeshua (Jesus).
    Ambos os irmãos entenderam mal seu pai. O filho mais novo o quis morto. O filho mais velho serviu a seu pai como um empregado e esperou eventualmente receber uma recompensa. Ambos os filhos vêem o pai como alguém que dará uma herança, mas sem nenhuma generosidade ou amor. O resultado é: nenhum irmão teve um relacionamento apropriado com seu pai ou seu irmão.
    O irmão mais velho recebeu sua parte da herança junto com seu irmão mais novo. Por causa de seu direito de primogenitura, mas o irmão mais velho não teve uma responsabilidade forte em agir como o mediador nesta crise familiar. Pegou a parte da sua herança que era duas vezes mais do que seu irmão mais novo, contudo ficou calado.
    Ambos os filhos não compreenderam o amor do seu pai.
    O filho mais novo só começa a compreender quando seu pai o aceita de volta como um filho, e não como um empregado.
    Yeshua (Jesus) coloca seus ouvintes no lugar do filho mais velho, e era para eles decidirem o fim desta parábola.
    Em ambos os casos, o amor do pai não pode ser ganho. Ambos os filhos devem receber o amor e carinho do pai. Na parábola de Yeshua (Jesus), fala da compaixão de D-us aos Seus filhos desobedientes na imagem do pai e de seus dois filhos. O pai ama o filho rebelde que faz o papel de um que troca tudo por uma vida longe do pai e o filho mais velho é amado pelo pai embora seja um pecador tanto quanto seu irmão.
    Isaac planejou em abençoar ambos Esaú e Jacó. Mas as escrituras não dizem que Isaac soube o que D-us disse a Rebeca. Os antigos Rabinos dizem que Rebeca nunca lhe disse sobre a profecia que o mais novo seria o que continuaria com bênçãos da promessa que foi dada a Abraham.
    Isaac sabia o significado de ser preferido a irmão o outro. Recorde, Isaac soube que seria dele a prole que receberia as bênçãos de Abraham. Ao contrário de Isaac e de Ishmael, vindo de mães diferentes, ele teve gêmeos.
    Não tinha nenhum problema em acreditar que as bênçãos iriam para as três gerações. Não havia na sua mente a instrução Divina para escolher um filho do outro.
    Rebeca soube que duas nações existiriam, e somente uma, a de Jacó, foi a escolhida, e era a única que receberia as bênçãos da Aliança. Rebeca fez com suas próprias mãos que a benção chegasse a Jacó sem “esperar em D-us”. Rebeca pagou um preço alto por sua participação. Nunca mais veria Jacó outra vez, Esaú nunca a respeitou, e sua morte não esta registrada nas escrituras. Usado uma cabra (suas pele e carne) para iludir Isaac.

    Este benção que estava dividindo ou separando Jacó e Esaú a mesma que separou ou dividiu Judá e Levi.
    O atributo (nome) de ADONAY usado nesta benção é “ELOHIM, “que é o atributo de justiça.”
    A vantagem desta benção que Jacó recebeu é que recebeu legalmente uma parcela em dobro da propriedade do seu pai.
    As responsabilidades requereram dele ‘ser a liderança’ “espiritual” para a família.

    D-us não é mencionado na benção dada a Esaú. Á Esaú não foi dado à terra de Canaã, a futura Eretz Israel.

    Considere Genesis 27:41,
    Esaú ficou com ódio de Jacó porque o seu pai tinha dado a ele a bênção. Então pensou assim: “O meu pai vai morrer logo. Quando acabarem os dias de luto, vou matar o meu irmão.”
    O Torah diz esse Esaú “Disse em seu CORAÇÃO.” Ou seja, pensou, nunca disse qualquer um de seus planos para matar Jacó pra ninguém. Isto força uma pergunta:
    Quem disse para Rebeca?
    Pode ter sido o próprio D-us.
    O atributo (nome) de Adonay D-us usado nas bênçãos foi “EL-SHADAI.” a benção dizia que D-us o faria frutífero, o multiplicaria, e lhe faria um multidão de povos (Goyim – gentios), que D-us daria a sua semente as bênçãos e aliança de Abraham, e lhe dará a terra de Canaã como prometido a Abraham.
    Estas experiências revelam algumas lições dolorosas para nós: Nós não podemos receber resultados bons usando erradamente os meios. A vida da fidelidade para com Adonay requer a paciência. A Infidelidade com Adonay traz conseqüências, mesmo nas vidas do povo de D-us.
    Se nós escolhermos ignorar ou desobedecer, o que D-us disse na Sua Torá, nós pagaremos um preço. A escolha de nossas ações é nossa, mas nós não podemos escolher as conseqüências.
    Como está escrito em Gálatas 6:7,
    Não se enganem: ninguém zomba de D-us. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá

    Os arbustos de murta e espinhos crescem lado a lado. Enquanto ainda não se desenvolveram e são tenros, parecem ser de espécies idênticas.
    Mas uma vez que crescem e amadurecem a diferença entre eles torna-se latente. Um produz ramos que exalam um doce aroma, o outro, espinhos.

    Esaú =EDOM – OS EDOMITAS – Amalequitas – Seir – Roma – Cristianismo

    Obadias profetiza a condenação de Edom.

    Os Edomitas provinham de Esaú, irmão gêmeo de Jacó. Edom veio a ser uma nação poderosa (Gênesis 36; Êxodo 15:15; Números 20:14).
    Quando os israelitas subiram da terra do Egito, os edomitas negaram-lhes passagem através de sua terra (Números 20:20-21), mas D-us ordenou a Israel que tratasse a Edom como irmão (Deuteronômio 23:7-8). Não obstante, o ódio de Edom persistiu contra Israel, como o atestam com abundância as Escrituras Sagradas.

    O termo agagita parte do nome do Agague que era rei dos amalequitas nos dias de Saul.
    A origem dos amalequitas vem de Esaú (Amaleque era neto de Esaú Gênesis 36:12), portanto este tipo de pessoa não respeita e despreza os valores da Torá, pois pela sua atitude de desprezo Esaú abriu mão do direito da primogenitura.

    Os Edomitas & Amalequitas eram:
    – Nômades: não tinham terra, portanto são posseiros são usurpadores das coisas alheias; Invejosos – A inveja é o sentimento perverso que permeia o coração dos homens para destruir aqueles que são frutíferos; Eram principalmente traiçoeiros (como Esaú – Edom que era um Tzayid).
    Porque atacavam na retaguarda no deserto e no caso de Davi (1º Samuel 30) os desfalecidos, abatidos e afadigados, portanto este tipo de gente se alimenta das nossas fragilidades em momentos difíceis.
    Pois, a guerra de satanás começa na alma (mente), os demônios se alimentam de sentimentos e a mente do ser humano é o campo batalha do inimigo.

    Que Seir, Monte Líbano, e Yinon significam?
    Seir – no Genesis 33:14 nós vemos que Jacó está retornando a sua terra natal, e diz seu irmão Esaú, “Eu irei a meu senhor em Seir”.
    O que está por traz cabalisticamente na frase deste versículo em hebraico ‘eu irei’.
    É porque tem uma gematria 4.
    E 4 é a letra hebraica Dalet que significa porta, (João 10:7), outra coisa que temos que notar é que a frase está em tempo futuro ‘eu irei’ (Genesis 33:14).
    Isso é muito importante para que nós saibamos. Agora, isso é o que o grande Rabino Rashi disse: “o Sábios explicam que Jacob estava aludindo ao fim dos dias, pois que, Obadias profetizou, os descendentes de Ya’akov (Jacó) virão ao Monte Seir para fazer julgamento contra os descendentes de Esav (Esaú).”

    Nós lemos dentro seu comentário sobre Genesis 33:14 e também podemos notar que; não há nenhum registro que Jacó tenha ido a Seir ver seu irmão.
    Mas também adicionando os comentários rabínicos; “Jacó ainda virá a visitar seu irmão Esaú nos dias do Messias”.
    “Quando a reconciliação entre os filhos de Israel e Edom (nações) será completada”.

    Isto é como os dois lados de uma moeda; um lado, um retrato do julgamento, o outro é o da reconciliação!
    Assim nós vemos também que o Messias, descendente de Jacó, virá de Seir no fim dos dias, trazendo julgamento, e reconciliação! Na linguagem talmúdica da idade media Seir ou Edom ou Esaú: é uma simbologia ou um código para indicar o cristianismo. Seir: Mundo dos gentios.

    Ya’akov – Jacó
    וְיַעֲקב אִישׁ תָּם

    Ve’Ya’akov ish tam. (E Jacó era um homem perfeito – sem defeitos) Genesis 25:27
    Nesta parte da Torá vemos que Jacó era um homem sem defeitos (tam), a palavra hebraica usada na bíblia é TAM, está palavra indica uma pessoa ou coisa sem defeitos, é muito usada para os animais para os sacrifícios ,animais TAMIM ,ou TAM , que quer dizer sem defeitos ou sem defeito. Jacó ao contrario do que muitos pensam não era um enganador sem caráter, Combatendo a teologia Cristã que chama Jacó de enganador ou sem caráter e etc. Muitas das traduções tendenciosas traduzem está palavra como quieto, no qual é um tremendo erro. O que aconteceu com Jacó depois ou o que ele fez pelo intermédio de Rebeca, temos que entender á luz da bíblia e o contexto em que toda a trama esta inserida.

    A Torá declara: “Esav disse: ‘Tenho muito’….. E Ya’ácov disse: ‘Tenho tudo’. (Genesis 33:9,10,11)
    Qual dos dois irmãos era mais rico? Esáv (Esaú) disse que tem muito.
    Mesmo tendo uma grande quantidade, ainda queria mais, pois, como diz nossos sábios rabinos no Talmud: “Quem tem cem quer duzentos”.

    Ya’ácov, entretanto, disse: “Tenho tudo”. Não sinto falta de nada. Esaú constantemente queria mais, enquanto Jacó sentia uma grande satisfação com o que possuía. Independentemente do quanto tivermos, sempre existirá mais para se querer. Manter a atitude de que nunca temos o suficiente nos causará uma frustração constante. Se focalizarmos naquilo que não temos ou pensamos não ter, nossas vidas se encherão de ansiedade e sofrimento. A escolha é nossa entre sermos verdadeiramente ricos ou sermos “pobres” com muitas posses! Interiorize a atitude de Ya’ácov: “Tenho tudo o que preciso”.

    No Pirkei Avôt (Ética dos Pais, tratado talmúdico) nossos sábios rabinos perguntam
    “Quem é a pessoa rica?” e responde: “É aquele que é feliz com sua porção”.
    Se focalizarmos no que temos, seremos felizes. É claro, temos o direito de tentar adquirir mais coisas. Entretanto, se não for possível, nos sentiremos calmos e serenos.Se conseguirmos mais, melhor se não ok.

    – Eis o segredo da felicidade: focalize naquilo que possui e serás feliz.
    – Eis o segredo da miséria: focalize naquilo que não tem e serás um infeliz.

    Beit El
    E ele temeu , e disse : quê lugar fantástico é este !! Este sô pode ser a Casa de EL (D-us), e é também o portal para o céu.

    Este lugar Beit El – casa de El (D-us) é no monte Moriá, onde havia o Beit Hamikadesh (o Templo) e também é o lugar onde Abraham levou seu filho Isaque para sacrificá-lo e Yerushalayim (JERUSALEM) está situada no monte Moriá.

    #24746

    sofer
    Participante

    up

Visualizando 2 posts - 1 até 2 (de 2 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.