Emor & Lag BaOmer

Home Fóruns Fórum Yeshua Chai Soando o Shofar Emor & Lag BaOmer

Este tópico contém 1 resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  sofer 6 anos, 10 meses atrás.

Visualizando 2 posts - 1 até 2 (de 2 do total)
  • Autor
    Posts
  • #24823

    sofer
    Participante

    Nossa porção de leitura da Torá desta semana (Parashá Emor – Levitico 21:1 – 24:23) relaciona as oito principais festas reveladas nas Escrituras judaicas por D-us.
    Na Torá, essas ‘festas’ (חגיגות) são chamadas de ‘tempos determinados’ (Istoé; Mo’edim: מוֹעֲדִים), uma palavra que vem da raiz hebraica que significa ‘testemunha’, ou seja, Ed (עֵד). Outras palavras formadas a partir dessa mesma raiz incluem Edá (עֵדָה), que significa; uma comunidade, ou Adat (‏עדת) congregação, Edut (עֵדוּת), que significa; testemunho ou evidência, e assim por diante.
     
    O verbo relacionado ya’ad (יָעַד) significa encontro, objetivo, ou mesmo desposar. O significado dos Mo’edim- ‘dias santos’, então, é para o povo da aliança de D-us dar testemunho do amor e da fidelidade de D-us. Como está escrito:  כָּל  אָרְחוֹת יְהוָה חֶסֶד וֶאֱמֶת
     לְנצְרֵי בְרִיתוֹ וְעֵדתָיו– ‘Todos os caminhos de Adonay são chesed (graça ) e Emet (verdade) para aqueles que guardam a sua aliança e os seus Eidot (testemunhos)’. (Salmo 25:10)
      
    Metaforicamente os caminhos de D-us (orechot Adonay) são comparadas as trilhas ou ranhuras criadas pelas rodas de uma caravana (אוֹרחָה), passando várias vezes sobre o mesmo chão.
     
    Esses caminhos significam a jornada da Presença Divina (רוח הקודש) com os filhos de D-us neste mundo. Em termos temporais, somos capazes de discernir (להבחין) o caminho por meio do calendário divino (Mo’edim: מוֹעֲדִים).
     
    A Graça e a verdade (חֶסֶד וֶאֱמֶת) e fidelidade de D-us participam na Sua aliança (Brit) e nas comemorações anuais nos ‘tempos designados’ (מוֹעֲדִים) que testemunham a Chesed (graça) e a Emet (verdade) de D-us. Manter os testemunhos (Eidot) de D-us, então, significa que devemos ter o cuidado de observar as Festas bíblicas (Shabat e etc.), a fim de testemunhar a verdade de D-us…
     
    Considere; ‘Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: ‘Estes são os tempos designados de Adonay (מוֹעֲדֵי יְהוָה) que vocês devem proclamar como santas convocações (מִקְרָאֵי קדֶשׁ), pois eles são os MEUS tempos determinados’ (Levitico 23:02 ).
     
    Note-se que estes ‘tempos sagrados’ – o primeiro dos quais é o sábado semanal (Shabat)- são “de D-us”, e isso significa que eles devem ser considerados como tempos específicos ou de encontros dados (Templo no Tempo) por D-us para ajudar-nos caminhar mais perto DEle, para revelar a sua verdade profética, e para nos lembrar constantemente do Seu grande plano de redenção para nossas vidas.
     
     
    Estamos no meio do Sefirat HaOmer (a “Contagem do Omer”), uma contagem regressiva de 49 dias que vai de 16 de Nisan ate 5 de Sivan no sistema de calendário bíblico (ver Lv. 23:15-16). O primeiro dia da contagem de Omer começa na segunda noite da Páscoa bíblica, e o último dia ocorre um dia antes do grande festa de Shavuot (Pentecostes).
    Em nosso calendário gregoriano, estas datas são a partir de 26 de março até 13 de maio deste ano, 2013. Este é um “período de contagem regressiva”, levando para a entrega da Torá no Monte Sinai e a doação da Presença Divina (רוח הקודש) aos discípulos de Yeshua, Bendito seja o seu nome
     
    Depois do pôr deste sábado que vem (ou seja, 27 de abril), começa o 33º dia da contagem de Omer, chamado Lag B’Omer (ל”ג בעומר), que mais tarde se tornou um feriado cabalístico que comemora os ensinamentos de Rabi Shimon bar Yochai (ie, Rashbi:. רשב”י– 80-160 d/C), o suposto autor do Zohar, um texto fundamental da Cabala (misticismo judaico), um composto de 22 a 24 livros.
    A palavra Lag, em hebraico, é formada por duas letras; Lamed e Gimel (ל”ג), cujo valor numérico é 33.
     
    O 33º dia da Contagem de Omer é um lembrete devastador de uma catástrofe causada pela desunião dos judeus (שנאה חינם) na época do segundo Templo. (este ano cai em 28/04/13)
     
    Embora seja uma festividade central e diversificada, Lag BaOmer não é lembrado nem na Tora, nem na Mishnánem na Gemará, e nem mesmo na Literatura dos Geonim, escrita posteriormente. É lembrado na literatura ligada à Halachá (legislação judaica).
     
    A discórdia e os conflitos entre os discípulos de Rabi Akiva conduziram milhares à morte nas semanas entre Pessach (Páscoa) e Shavuot (pentecostes), dizimados por uma peste durante a última das guerras ‘judaico-romano’ (chamado de Revolta de Bar Kochba (מרד בר כוכבא), 132 -135 d/C). De acordo com a tradição judaica mais tarde, todos os discípulos de Rabi Akiva morreram durante o tempo da contagem do Omer, mas Rabi Akiva “começou tudo de novo”, com um novo lote de apenas cinco discípulos. O seu mais famoso discípulo foi Shimon bar Yochai. No Talmud (Yevamot 62b) recorda a tragédia da revolta de Bar Kochba.
     
    Em Lag Baômer, o 33º dia da Contagem do Omer a tristeza e luto são suspensos por dois motivos: nesta data cessou a morte dos discípulos de Rabi Akiva e marca o dia de falecimento de Rabi Shimon bar Yochai. “Seus ensinamentos” no compêndio Zohar revelaram a dimensão mística da Torá: a Cabalá, a “alma” do Judaísmo.
     
    Para os judeus cabalistas Lag BaOmer é o tempo da revelação (Gal) do futuro Messias e o numero 33 é conectado diretamente ao Messias (vide; Zohar).
    No dia de Lag BaOmer judeus observantes cantam o salmo 119 que no primeiro verso tem 33 letras. A palavra Lag que forma o número 33 lida ao contrario forma a palavra Gal (גל) que significa Revelar – Desvendar (salmo 119:18)   גל עיני ואביטה נפלאות מתורתך  – Revela aos meus olhos para que eu veja as maravilhas da tua Torá.
     
    Lag BaOmer (o 33º) caracteriza-se pela Sefirá de Hod she beHod – ou seja, glória em glória. Essa Sefirá é intimamente associada a Aarão, o sumo sacerdote e por inferência é associada com Yeshua (Jesus) O sumo sacerdote, Bendito seja o seu nome (Baruch shemô).
     
    Lag BaOmer como a Carta aos Efésios (האפסים), carrega o tema de Ahavat Israel (אהבת ישראל), o imperativo de amar e respeitar o próximo e é um momento para celebrar a unidade judaica para mostrar nosso amor e paixão um com os outros.
     
    Lag B’Omer e a Carta aos Efésios (האפסים) ambos lidam com os segredos da futura era messiânica. Ambos lidam com as lições que são necessárias para alcançar essa idade gloriosa.
     
    As fogueiras (Medurá) que são acesas em lag baômer celebram a imensa luz que foi trazida ao mundo por Rabi Shimon bar Yochai (que faleceu em Lag Baômer)… Embora sabemos que a verdadeira luz é nosso Messias Yeshua (Jesus) que morreu aos 33 anos em Pessach.
     
    No Zohar ensina que o poder de um Tzadik (justo {Isto é; o Messias}) “aumenta” após sua morte, Sua chama continua acesa, seu mérito é o bastante para invocar o perdão Divino (סליחת אלוהית). Esta chama irá iluminar o caminho que levará para fora do exílio até o último dos judeus. E quando isto ocorrer – que esteja próximo esse dia – o mundo inteiro viverá da maneira como Rabi Shimon julgava que se devia viver. Pois que a terra se encherá do conhecimento de Adonay, nosso D-us, como as águas cobrem o mar (Isaías, 11:9).
     
    Rabi Akiva reconstruiu sua grande Escola de Estudos da Torá, reiniciando com seus cinco discípulos sobreviventes: Rabi Meir, Rabi Yehudá, Rabi Yossi, Rabi Nechemia e Rabi Shimon bar Yochai.
    Lembrando que Rabi Akiva (que era um converso ao judaísmo) escolheu e nomeou Bar Kochbá (filho da estrela) como Messias. Um grande erro!
     
    Em 132 D.C. quando Bar Kochbá orquestrou a Segunda Revolta Judaica contra Roma, Sendo Bar Kochbá nomeado Messias pelo Rabi Akiva, os judeus crentes (nazarenos ou OS do Caminho) testificavam Yeshua de Nazaré como o Messias, não participaram da revolta sob o comando do falso messias Bar Kochbá, pois significaria trair suas crenças na Messianidade de Yeshua de Nazaré (ישוע מנצרת), daí houve extrema animosidade entre os ‘judeus não crentes’ em Yeshua e ‘os do Caminho’.
     
    Quando a revolta foi esmagada pelo Imperador Adriano em 135 D/C.
    Adriano expulsou todos os judeus de Jerusalém, permitindo que retornassem apenas um dia por ano, em Tisha Be’av, (9 de Av) para o luto, pela destruição do Templo (Beit HaMikadesh), Adriano também reconstruiu Jerusalém (ירושלים) como uma cidade romana e mudou seu nome para Aelia Capitolina e o nome da Judéia para Síria Palestina.
    Isto foi feito para apagar qualquer ligação judaica com a cidade de Jerusalém e com a terra de Israel.
     
    O Segundo Templo foi destruído pelos romanos no ano 70 D/C. Jerusalém e a paisagem rural circundante estavam em ruínas de borda a borda. Dezenas de milhares morreram em combate feroz e, posteriormente, da perseguição e da fome; milhares mais foram vendidos como escravos e forçados ao exílio e crucificados, haviam milhares de crucificados pelas estradas da Judeia.
    Os romanos consideravam a Judéia (nação judaica) derrotada, obliterada e finalizada.
    O General romano Tito erguido um monumento de grande vitória em Roma que está em pé até os dias de hoje na Itália (Roma) o famoso arco de Tito, em que é inscrito; ‘Judéia per Capita’ Judéia é ‘kaput’, “destruída – acabada”. (felizmente ele errou, estamos de volta a nossa terra ancestral após quase 2000 mil anos de exílio)
     
    É dito por alguns historiadores que 20% da população do Império Romano entre Roma e Jerusalém era de judeus, entre conversos e nascidos de mãe judia. (hoje somente os nascidos de mãe judia são considerados diretamente judeus, os ‘não nascidos de mãe judia’ tem que passar por uma conversão formal).  As fundações pagãs de Roma estavam desmoronando. Muitos romanos estavam em busca de uma alternativa religiosa – que muitos deles posteriormente encontraram na crença em um Messias Judeus (Yeshua).
     
    Muitos romanos foram atraídos para o judaísmo (Ao D-us de Abraão Isaque e Jacó) e um número significativo convertidos havia.  Também havia milhares de simpatizantes. Alguns membros do Senado Romano converteram ao judaísmo.  Ou seja, se o grande número de judeus que viviam em todo o Império Romano pudesse ser inspirado em revoltas ‘anti-Romana’ coordenadas, muitos historiadores acreditam que as perspectivas de derrubar Roma eram muito reais, porem não foram.
    Na verdade muitos destes simpatizantes que agora eram conhecidos como cristãos em todo império romano, se afastaram dos judeus, pois como cidadãos romanos ou do império não queriam se envolver em revoltas judaicas na Judeia, daí, para a separação entre os cristãos e os judeus do Caminho (crentes em Yeshua) foi um pulo.
     
    Dizem os nossos sábios (חכמים); “o respeito precede a Torá” (תורה עם דרך ארץ), o que significa que devemos estimar a nós mesmos e os outros corretamente como portadores da imagem de D-us. Isso é básico para todo o resto. Mas primeiro devemos cuidar, é preciso estar disposto a desistir da nossa “doença”, é preciso querer ser curado.
     
    Isto também significa que estamos dispostos a desistir de culpar os outros e confessar a verdade sobre como nós trouxemos dor em nossas próprias vidas. Depois que aprender a perdoar a nós mesmos, podemos deixar a dor ir, a raiva cansar, e perdoar os outros de seus erros, também. 

    #24825

    sofer
    Participante

    שמע
    Shema /Ouvir (שמע) é “melhor do que sacrificar” ‘…כי חסד חפצתPois desejo Chesed (graça –  חסד) ודעת אלהים מעלותe o conhecimento de D-us (da’at Elohim) mais do que os holocaustos’ (1º Sam. 15:22, Oseias 6:6).
     
    Durante o Acharit HaYamim (אַחֲרִית הַיָּמִים), ou seja, o fim dos dias/Eras as pessoas vão ter uma ‘aparência’ (μόρφωσιν) de bondade, mas negam o seu poder, já que seus corações obstinadamente se afastaram da verdade.
     ‘E porque a Anomia(ou seja, νομία, a = ‘sem’ ou ‘não a’;… Nomos = Torá/Lei) aumentará, e o amor de muitos esfriará – (isto é; ψύχομαι, ‘será extinto’) (Mateus 24:12)
    Nota-se intimamente a ligação entre a Torá e o amor: o amor (Ahavah: אהבה) verdadeiro exige o respeito à instrução de D-us (תורת יהוה), pois sem isso à imagem de D-us fica desfigurada e profanada.
     
    Entra a Ideia da ‘falsa bondade’; “quando poupar o lobo levará imediatamente ao sacrifício do rebanho, ou ser benevolente com os maléficos mostrará inevitavelmente a maldade para com os benevolentes e assim por diante”…
     
    Neste contexto, nota-se que a palavra hebraica para ‘Falsidade’ (ou mentira, enganar…) é Sheker (שֶׁקֶר), que também pode ser lida como She’kar (שֶׁקַר), que significa; ‘aquele que (שׁ) faz frio’ (קַר) ou que ‘dá calafrios’… Nesta alusão podemos considerar que A verdade de D-us não pode ser conhecida fora das chamas de uma paixão. Que tipo de amante é aquele que é irresponsável ou indiferente em sua devoção? Podemos saber a verdade sobre um amor verdadeiro, sem saudade, sem vontade, e desejo?
     
    A palavra hebraica para ‘pecado’ (חֵטְא) significa literalmente ‘errar o alvo’, no entanto, essencialmente isto significa perder o foco na revelação da Tiferet (glória) de D-us, porque os pequenos medos consumem o coração e obscura o desejo pela verdade… Quando realmente vemos a vida como ela é, seremos preenchidos com admiração e reverência sobre a Tiferet (תפארת) em tudo. Nesta ideia ‘Temer’ – I’rá(יִרְאָה) e ‘Ver’ – Ra’á (רָאָה) estão ligados e unificados.
     
    Buscar a sabedoria, Reishit (רֵאשִׁית), é a primeira coisa: ‘ Adquira sabedoria (קנה חכמה) adquira entendimento (קנה בינה); não se esqueça das minhas palavras nem delas se afaste(Provérbios 4:5).
    Lembre-se e não se esqueça do que é mais importante; A coisa mais importante na vida é decidir o que é a coisa mais importante na vida – e então agir em conformidade… Aprenda a ouvir e ouvir para aprender, para discernir.
    ‘Qual é a primeira coisa de quem deseja sabedoria? Livrar-se da prepotência, pois é impossível para alguém aprender aquilo que ele acha que já sabe’.
     
    Precisamos de humildade para aprender a verdade, precisamos aquietar-nos a Shema (שָׁמַע), ouvir e ouvir.
     
    שְׁמַע יִשְׂרָאֵל יְהוָה אֱלֹהֵינוּ יְהוָה אֶחָד
    Shema Israel Adonay Eloheinu Adonay Ecad.
    Ouve Israel, Adonay é nosso D-us, Adonay é Um.
    (deuteronômio 6:4, Marcos 12:29, 1 Timóteo 2:5,)

Visualizando 2 posts - 1 até 2 (de 2 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.