Galatás – A alegoria de Agar e Sará

Home Fóruns Fórum Yeshua Chai Soando o Shofar Galatás – A alegoria de Agar e Sará

Este tópico contém 0 resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  sofer 7 anos, 6 meses atrás.

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #24710

    sofer
    Participante

    A alegoria de Agar e Sará usada pelo Emissário Paulo é frequentemente citada (erroneamente) como a representação da distinção entre a ‘”lei” e “graça”’ nas cartas de Paulo (gálatas 4 :21-31). Ou a erronia doutrina ‘lei versus graças’

    Infelizmente, muitos comentaristas e teólogos cristãos através dos séculos têm usado esta alegoria como um meio de rejeitar a importância do estudo e da pratica da Torá para o cristão.

     

    Espero que você possa ver que é demasiado simplista considerar a utilização do Rabino Paulo desta técnica de Midrash (ou seja, o uso da alegoria) como um argumento contra a Torá e sua importância em nossas vidas. (Mateus 5:17-18) – ‘A grama seca, e as flores caem, mas a Torá do nosso D-us permanece para sempre’. (Isaias 40:8)

    Como ensinado na Parashá Vaiera (Genesis 18:1 a 22:24) – Avraham teve dois filhos (oficiais): Ishmael, filho da serva Hagar e Itzchak, filho de Sarah.

    A Concepção de Ismael foi “natural”, isto é, foi “da carne” é o resultado da intervenção calculada humana; a Concepção de Isaque, por outro lado, foi sobrenatural e o resultado da intervenção milagrosa de D-us e do Seu ‘design’.

    O Shliach Shaul (Emissário Paulo) interpreta esses eventos históricos em termos alegóricos. (Midrashim)

     

    As duas mães “representam” duas promessas distintas: Hagar (que, de acordo com Midrash era filha do faraó) representa a aliança feita no Sinai que resulta em ‘filhos nascidos que vieram da escravidão’, Considerando que Sarah representa a aliança feita anteriormente com base na promessa Divina que resulta em filhos nascidos livres (Gálatas 4:24-27).

    O Monte Sinai é no deserto estéril – o ponto de partida de uma nação que foi uma vez escravizada no Egito; mas, é o Monte Sião/Moriá/Jerusalém (que representa a promessa cumprida) na ‘terra que flui leite e mel’ – o ponto final de uma nação que é Divinamente eleita.

    O Monte Sinai é em última análise, estéril, mas Zion é ‘a perfeição da beleza– ou seja, Tiferet’ (Salmo 50:2 ) que tem inúmeros descendentes (Isaias 54:1).

    Recorde-se que a idéia de Paulo de que Agar e Sará representam “mães de dois povos diferentes” pode ser facilmente incompreendida (2º Pedro 3:15-16 ).

    Historicamente, muitos comentaristas e teólogos cristãos têm usado a alegoria como um meio de rejeitar a importância da Torá e engajar-se em ódio anti-semita e suas retóricas.

    É claro, entretanto, que o Emissário Paulo tinha o maior respeito pela revelação no Sinai e positivamente sustentou a lei (Gálatas 5:14, 22; Romanos 3:31, 07:12, etc.). Ele nunca renunciou à sua identidade judaica e ainda chamou a si mesmo como um fariseu depois de engajar-se no trabalho missionário entre as Nações (Atos 23:6, 25:7-8, Atos 21:24… etc.).

    Eu acho que o ponto de Paulo pode ser esclarecido se recordamos a distinção fundamental entre a idéia da Aliança e a Torá.

    Com base no contexto global da carta aos Gálatas, devemos compreender a alegoria como um meio para impugnar a autoridade dos “Legalistas” da época, que afirmavam serem os intérpretes exclusivos da Torá.

    A Circuncisão física (“protótipo” de ser judeu) não é um meio de salvação, e qualquer tentativa de “justificação” com base no mérito pessoal é um passo longe da justificação que vem livremente para aqueles que agarram rápido a promessa Divina de herança eterna.

     

    A idéia da ‘justificação pela Hesed (graça) e pela Emuná (Fidelidade – Fé)’ é fundamentalmente um conceito judaico por milênios, amplamente ilustrado e ensinado na Torá, nas Escrituras e na tradição oral judaica.

    Na verdade todos os atos de revelação de D-us (incluindo a revelação dada no Sinai e na Cruz no monte Moriá, em Noé e sua família, em Ló e sua família, em David, em Ruth e etc.) são manifestações da Hesed (Graça) Divina.

     

    A Geulá (Salvação / redenção) vem ‘dos judeus’ (João 4:22) e D-us prometeu que sempre haveria um remanescente do seu povo que iria ser fiel (Isaias 1:9, 10:21, Jeremias 23:3, 31:7, Joel 2:32, Romanos 9:27, 11:5, etc.). Pois no final, “todo o Israel será salvoe todas as promessas Divinas dadas ao povo judeu (Israel) através dos profetas serão literalmente cumpridas, todas! (Romanos 11:26 ). Não se iludam, todas as profecias serão cumpridas na risca e isto inclui também todas dadas ao povo judeu e a Israel.

    A Nova Aliança ‘de Jerusalém’ (Zion – Moriá) foi prefigurada no monte Moriá – e remonta aos patriarcas Abraão e Isaque – não a aliança feita depois com os Filhos de Israel no Sinai.

     

    Os Benei Tzion (filhos de SiãoZion) são os filhos da promessa, e a Aliança “feita” na pessoa de nosso Mashiach (Messias) abre Zion para todos nós…

    …A ‘Torá’ (“instruções”, orientação, objetivo, “filosofia de vida”, “regra – leis” do Reino e etc.) é uma palavra funcional que se refere à resposta adequada do Ser Humano para as ações de D-us na história

    Nós não impugnamos a Torá, quando dizemos que D-us fez uma Aliança melhor com base em uma promessa melhor (Hebreus 8:6.).

     

    D-us é o mesmo ontem, hoje e sempre: ELE é UM… A revelação e a graça de D-us se manifesta no Sinai, assim, também em Zion Sião.

     

    O que mudou é a nossa resposta a essa nova Aliança na luz completa das Escrituras.

    Uma honesta leitura da carta aos Gálatas mostra que Paulo não simplesmente rejeitava o legalismo, mas rejeitava também qualquer forma de ‘salvacionismo’ baseado em ‘boas obras’, isto é legalismo – (isto inclui crenças ‘reeicarnacionistas’ pra elevação da alma, ‘crenças Karmicas’, ‘auto-mortificação da carne’, ascetismos e ‘crendices religiosas salvíticas’ e etc.).

     

    O povo de Israel conhecia isso, uma vez que a Torá (e profetas) profetizaram que viria uma nova era de ‘corações sendo circuncidados’.

    Por conseguinte, Paulo avança a idéia de que a Geulá (redenção – Salvação) pela graça de D-us está em perfeita harmonia com o ensino da Torá.

    Quanto a Agar, é preciso lembrar que D-us abençoou Ishmael e prometeu fazer-lhe o pai de doze tribos com inúmeros descendentes

    ( Genesis 16:11; 17:20 ).

    Segundo o Rabino Rashi(1040-1105 França), ele alude o sacrifício de Isaque como Midá keneged Midá (‘medida por medida’ – Mateus, 7:1-2, Gálatas 6:7, Lucas 6:31, ) Justiça aplicada na injusta expulsão de Hagar e seu filho primogênito, afinal apesar das riquezas, Abraão os enviou para o deserto.. Na verdade, Isaque pareceu mais tarde entender isso, e muitos dos seus encontros com D-us ocorreram em Beer lehai roi, o lugar onde a Ismael foi dado o seu nome – e mais tarde abandonado.

     

    Isaque e Ismael enterram seu pai – juntos – na caverna de Machpelá (em Hebron – Israel) – (Genesis 25:9).

    Toda esta interconexão indica que há um futuro e uma esperança para os descendentes de Hagar – ambos os descendentes físicos, bem como aqueles “espirituais”, pois hoje os Ismaelitas estão misturados entre os povos árabes.

    Devemos lembrar os povos árabes (onde os Ismaelitas estão misturados) em nossas orações, Haverim (Amigos)

     

    Em conclusão, a chave para a compreensão da Carta de Paulo aos Gálatas está no conhecimento do propósito da própria carta.

    O propósito desta carta foi mostrar aos legalistas da época (e de hoje) que a justificação para a Geulá (redenção – Salvação) aos olhos de D-us vem através Emuná (fé – fidelidade, confiança) e não através de perverter a Torá em legalismo, ou a Mensagem do Evangelho em crendices religiosas salvíticas.

     

    … ‘Pois nenhuma pessoa pode ter o ‘status quó’ de justo (salvo) pelo legalismo aos olhos do S-nhor, isto é evidente na própria Torá, nas Escrituras, na tradição oral judaica, na Cabalá Judaica… : ‘pois, o justo viverá pela fé’ (fidelidade – confiança)’ Gálatas 3:11

    • Este tópico foi modificado 7 anos, 6 meses atrás por  sofer.
Visualizando 1 post (de 1 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.