O Dia de Ação de Gratidão – Graças

Home Fóruns Fórum Yeshua Chai Religiões e Crenças O Dia de Ação de Gratidão – Graças

Este tópico contém 0 resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  sofer 7 anos atrás.

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #24708

    sofer
    Participante

    O Dia de Ação de Gratidão – nos EUA

    Fora Israel o único Pais no mundo onde se há um dia para agradecer ao D-us de Abraão Isaque e Jacó como nação é o Estados Unidos no dia chamado ‘Thanksgivings day’ – ‘Dia de ações de gratidão’ conhecido como dia de Ação de Graças

     

    O feriado americano de ‘ação de graças’ certamente tem suas raízes na tradição judaica de dar graças a D-us e alguns historiadores afirmam e acreditam que os primeiros “peregrinos” tiraram diretamente da idéia bíblica da Festa de Sukot (isto é, “Tabernáculos”).

    Na verdade, antes de vir para o ‘novo mundo’, os peregrinos viveram durante algumas décadas entre os Judeus Sefarditas (de origem hispano-portuguesa) na Holanda, desde que a Holanda era considerada um refúgio seguro das perseguições religiosas no momento (inquisição ibérica).

    Uma vez que os peregrinos eram devotos calvinistas e puritanos, seu idealismo religioso levou-os a se consideram como “novo Israel”, e é bem provável que eles aprenderam com os judeus Sefarditas na Holanda que Sukot também aludia a libertação de Israel de sua perseguição religiosa no antigo Egito durante este tempo.

    Depois que os puritanos e calvinistas emigraram para a “terra prometida” da América do Norte, por conseguinte, não é nada surpreendente que os peregrinos puritanos terem escolhido a Festa de Sukot como o paradigma ou o exemplo para sua própria celebração. (Levitico 23:39-43). Os Puritanos consideraram a perigosa viagem ao ‘novo mundo’ como um tipo de “Êxodo e livramento” e, portanto, procuraram um feriado bíblico apropriado para comemorar sua chegada segura em uma terra cheia de novas promessas…
    הוֹדוּ לַיהוה כִּי־טוֹב כִּי לְעוֹלָם חַסְדּוֹ
    Hodu la’Adonay ki tov, ki le’olam hasdó
    Dêem graças á Adonay, pois sua graça dura para sempre
    Salmo 136:1
     

    (note: a palavra hebraica para ‘dar graças’ Hodu é a mesma para Peru, talvez seja por isto que comem Peru no dia de ação de graças)

    Um antigo Midrash (comentário rabínico) diz que nos últimos dias, quando o Messias ira reconstruir o Templo, a oferta (chatat) de pecado e culpa (asham) já não serão necessários e apenas a oferta de gratidão (ou seja, Zevach haTodah: זֶבַח הַתּוֹדָד) será oferecida diante do S-nhor. Da mesma forma, a oração Esrei Shemona já não vai ser recitada exceto a parte de Modimgratidão.

    Isto é porque naquele tempo ‘todo o Israel será salvo’ (Isaías 60:21, Romanos 11:26-27) e o cumprimento profético ‘de Yom Kipur’ será cumprido para o povo judeu.

    Possa Messias podem retornar rapidamente e em nossos dias…

     

    Considere as Escrituras Sagradas: ‘Quem oferece uma oferta de Gratidão (זבֵחַ תּוֹדָה) glorifica-me’ (Salmo 50:23).

     

    A ‘oferta de Todah’ era incomum porque este sacrifício era acompanhado com uma oferta elaborada de pão – incluindo a oferta que de outra forma era proibida o pão fermentado (Levitico 2:11, Levitico 7:13).

    Em apenas outro momento o pão fermentado (ou seja, hametz) era oferecido no altar, era durante a Festa de Shavuot (Pentecostes) como um gesto de agradecimento por causa da realização da colheita de trigo.

    A ‘oferta do balançar dos maços de sevada’ (ou seja, Tenufah: תְּנוּפָה) de dois pães profeticamente retratando o “novo ser humano” (composto por judeus e Gentios na fé) diante de Hashem (D-us), que é o clímax do plano para a redenção da humanidade através do Messias, o verdadeiro Cordeiro de D-us.

     

    A ‘Oferta de Gratidão’ é mencionada na Torá e reaparece no Novo Testamento. No livro de Hebreus os filhos da Aliança foram instruídos a ‘continuamente oferecer um sacrifício de gratidão’ (זֶבַח תּוֹדָה) para D-us, ou seja, os frutos dos lábios que confessam seu Nome” (Hebreus 13:15).

    É interessante notar que o verbo grego usado para ‘oferecer’ (ou seja, ἀναφέρω) é usado para traduzir o verbo hebraico ‘achegar-se’ ou ‘chegar perto’ (Karov) em Levítico.

    Em outras palavras, a ‘oferta de agradecimento’ para o sacrifício do Cordeiro de D-us (isto é o Messias Yeshua) funciona como um ‘korban’ e nos atrai perto de D-us.

    Agradecendo a D-us pela libertação pessoal constitui “sacrifícios justos” (זִבְחֵי־צֶדֶק) quando podemos aproximar-nos de D-us na esperança de seu amor (Salmo 4:5; Hebreus 7:19).

    Como O Messias Yeshua (Jesus) disse; ‘E, quando Eu for levantado da terra, atrairei todos a mim’ (João 12:32). (Salmo 100)

    No targum (tradução aramaica interpretativa das escrituras) observa que a oferta de Ação de Graças (isto é, a Todah: תוֹדָה) é superior a todas as outras ofertas (sacrifícios), uma vez que enquanto outros sacrifícios eram destinados para expiar o pecado, a oferta de Gratidão foi concebida para louvar a D-us por sua salvação e libertação e para glorificar o Seu Nome (Salmo 50:23).

    Em outras palavras, porque Hashem (O S-nhor) nos salvou, nós temos agora a obrigação de “servir ao S-nhor com alegria” e a cantar com alegria ao Seu Nome… Nós somos comandados a estarmos encantados, sermos alegres ao ver a maravilha e glória e beleza e amor de D-us- mesmo quando sentimos tristeza e angustias durante os dias de nosso exílio ou nos encontrarmos em perigo neste mundo – nós devemos sempre ‘gritar para Hashem (D-us)’ porque se aproxima nossa salvação.

     

    Podemos confiar que nós realmente pertencemos a Adonay D-us sob a autoridade do Messias: ‘Digo uma verdade solene, quem ouve a minha palavra e acredita que aquele que me enviou (D-us) tem a vida eterna (חַיֵּי עוֹלָם) não será condenado no julgamento, desde que esta pessoa passou da morte para a vida (כִּי־עָבַר מִמָּוֶת לַחַיִּים)” (João 5:24).

     

    Pois Ele (Adonay) é nosso D-us e nós somos Seu povo do Seu rebanho, as ovelhas de Sua mão” (Salmo 95:7).

     

    Servindo a D-us em última análise, é uma fonte de alegria e de grande alegria. Nossos corações se alegram na Presença Divina (Espírito Santo), uma vez que não há nada mais como esta alegria e não há ninguém como D-us. Nós sempre estamos convidados a vir corajosamente diante da Sua Presença em todos os momentos. Quando você orar deixe seu coração ser feliz pois você está chamando ao D-us Altíssimo (El Elion), criador do Universo. Porque D-us nos salvou através do Seu Messias, ‘nós somos sua Segulah – ‘Sua posse pessoal – Seu Tesouro’ e, portanto, uma das ovelhas de seu Pasto (João 10:27-30).

Visualizando 1 post (de 1 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.