Selichot

Este tópico contém 1 resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  sofer 7 anos, 6 meses atrás.

Visualizando 2 posts - 1 até 2 (de 2 do total)
  • Autor
    Posts
  • #24678

    sofer
    Participante

    קום
    Era um velho costume no qual no sábado à noite antes de Rosh Hashaná, apenas alguns minutos antes da meia-noite, o Shamash (Presbítero da Sinagoga) saia pelo bairro, batendo três vezes em cada porta e gritava; “Kuma na! – ‘Por favor, levante! Para servir ao Criador!” E todos se reuniam rapidamente para as Selichot (ou seja, orações de pedido de perdão).

    O apelo à revelação do nome IHVH (יהוה) e os 13 atributos (Êxodo 34:6-7) da misericórdia de D-us é o tema central do Serviço (culto) de oração…

     

    Ao contrário do que se poderia esperar, a recitação das Selichot (orações de pedido de perdão) tradicionais (ou seja, o ‘A’ à ‘Z’ de confissão dos pecados) é recitada (cantada) com alegria, com base em uma passagem de nossa porção da Torá desta semana, servir a D-us com alegria e um coração cheio de esperança’ (Deuteronômio 28:47). Obs.: geralmente são cantadas assim nos serviços religiosos (cultos) em sinagogas Sefaraditas.

    A essência da alegria é uma sensação de bem-estar e gratidão que vem de confiar no amor de D-us. Isso está implícito na cerimônia de Bikurim (primícias) que começa com a parte; ‘Somos ordenados a levar os nossos “primeiros frutos”, para o Templo, e expressar nossa gratidão’: (וְשָׂמַחְתָּ בְכָל – הַטּוֹב אֲשֶׁר נָתַן – לְךָ) – ‘você vai celebrar por tudo de bom D-us lhe deu’ (Deuteronômio 26:11).

    Em última análise, encontrar alegria duradoura quando nós confiamos que somos verdadeiramente amados, perdoados, e aceitos – apesar da longa ladainha de nossos pecados… Por isso, encontramos consolo e alegria na salvação dada em Yeshua Adoneinu (nosso Senhor), O Messias O Cordeiro de D-us para que pudéssemos ser aceitos por D-us.

     

    O Ser humano é um paradoxo, estar preso entre a realidade do nada e do infinito e, em uma união de infinitas possibilidades ainda assim encerrado em uma limitação. O Ser Humano deseja viver para sempre, mas está consciente de que um dia ele vai morrer. Ele é uma incongruência – uma mistura de carne/alma e espírito, santo e pecador, bom e mau, celestial e animal…

    Toda espiritualidade ou religião ou filosofia ou ideologia que exige de nós que ‘estejamos sempre feliz e sorrindo’, sempre “para cima”, é, portanto, desonesta e falaciosa, pois a verdade está fundamentada no que é real, e isto inclui tanto o miserável e trágico, bem como a alegria e o sublime. Não é que não há nenhuma diferença entre o bem e o mal dentro do coração, mas ambos são parte do que nós realmente somos.

    É a luta “amargo-doce”, o processo de caminhar como “pecadores- santos”, “mortos-imortais”, e assim por diante, que nos define.

     

    Nós temos que abraçar nossa fragilidade, a fim de tornar-nos inteiro, não há cura sem uma verdadeira confissão de nossa necessidade. Portanto, chegamos à cruz paradoxal – o local de dor extrema, separação e morte – para encontrar expiação, aceitação e vida.

     

    Por favor, note que isto não é negar que devemos andar pelo Espírito e nos considerar mortos para o pecado, no Messias (Romanos 6:11), no entanto, longe de ser um sinal de falta de espiritualidade, a luta pessoal é um sinal de sua presença real …. Somente aqueles que estão conscientes do trágico, que são assombrados pela disparidade entre o que ‘é’ e que ‘deve ser’, somente aqueles que são divididos dentro de si, divididos por tensão interna e conflito – aqueles conscientes de que estão ambos neste mundo, mas não são dele – são peregrinos, em um longo, longo caminho de volta para casa (O Jardim do Éden), com saudades da cidade celestial (O Mundo Vindouro), que interiormente sentem dor e anseiam para serem resgatados integralmente – somente estes, podem-se dizer que são genuinamente espirituais (andam pelo Espírito).

     

    Afinal, o mundano, o auto-confiante e seguro de si, raramente deseja a libertação de si mesmo e muitas vezes são de conteúdo para racionalizar o seu estado de alma, a pessoa “espiritual”, por outro lado, sente uma profunda incompletude, uma falta, um fratura que funciona em linha reta através do núcleo da realidade, uma brecha que precisa finalmente ser curada … (não estou falando aqui de sentimento de culpa ou qualquer tipo de autopiedade e etc.)

    Há uma grande alegria, é claro, e nós estamos, na verdade; ‘alegrarmos-nos sempre em D-us’, mas também há uma dor real em nossas vidas, e eu prefiro estar em um bar com uma pessoa chorando, com sua cerveja nas mãos, acerca da bagunça que fez de sua vida do que com um pedante hipócrita que pensa que é santo em tudo e ou aqueles que não têm mais nada pra se arrepender e etc…

     

    ‘Somos tratados como impostores, e ainda somos verdadeiros, como desconhecidos, porém bem conhecidos, como morrendo, e eis que vivemos, como castigados, e ainda não mortos; entristecidos, mas sempre alegres, como pobres, mas a muito rico, nada tendo, mas possuindo tudo’ (2ºCoríntios 6:8-10.).

     

     

    É por isso que durante o mês de Elul e nas Grandes Festas (Rosh Hashaná e Yom Kipur) recitamos orações de pedido de perdão (ou seja, Selichot) no plural, ou seja, no coletivo da Congregação, listando todos os pecados de “A” a “Z” que nós (coletivamente) cometemos.

    Nós usamos pronomes plurais de um sentimento de compaixão… Nós somos um só corpo. Quando alguma parte do corpo está doente, todo o corpo está doente (1ºCoríntios 12:26.). Portanto, a oração Selichot tradicional menciona todos os pecados possíveis na ordem do alfabeto hebraico: Ashamnupecamos, começa com a letra Aleph; Bagadinutemos sido falso, começa com a letra Beit; Gazalnutemos roubado, começa com a letra Gimel, e assim por diante…

    Assim como Yeshua (Jesus) O Messias nos ensinou: Avinu She’bashamayimNosso Pai que estás nos Céus, perdoa-nos de nossos pecados… Pois ‘todo o Israel é responsável um pelo outro’. Assim também a ‘Congregação do Messias’ é.

     

    O rabino de Lelov disse ao seu Hasidim: “Uma pessoa não pode ser curada até que ela reconheça suas falhas em sua alma e tentar corrigi-las ao longo da vida. Uma nação não pode ser curada até reconhecer as suas falhas em sua alma e tentar corrigi-las. Quem não permite… nenhum reconhecimento de suas falhas seja ele homem, mulher ou Nação, não permite qualquer tipo de redenção, Nós podemos ser curados na medida em que nos reconhecemos nossas falhas…”.

    “Quando os filhos de Jacó disseram a José: ‘Nós somos homens justos’, ele respondeu: ‘É por isso que Eu falei com vocês, dizendo: ‘Vocês são espiões’. Mas depois, quando confessaram a verdade com os lábios e com seus corações, e diziam uns aos outros: ‘Nós somos culpados acerca de nosso irmão, na verdade’, o primeiro vislumbre de redenção amanheceu. Dominado pela compaixão, Jose virou de lado e chorou’. – Martin Buber (Hassidim Tales)”.

    #24682

    sofer
    Participante

    Duas trilhas no caminho.

    Como você se sente sobre D-us? Sabe por quê?

    Muitos de nós temos um perrengue, uma luta com D-us, por assim dizer.

    Um momento ou outro em nossas vidas nós ficamos aborrecidos e chateados com D-us.

    Sabe de uma coisa, não há problema nenhum nisso!

     

    Uma vez um Rabino que me ensinava disse; ‘é melhor ficar com raiva, aborrecido com D-us do que não ter nenhum relacionamento com ELE. ’

    Interessante que, nós estamos em Rosh Hashaná (17/9/12) e nós temos duas trilhas no nosso caminho que nos conecta à D-us, que aparentemente parecem opostas e nós vivemos com ambas ao mesmo tempo, e ambas nos proporcionam um relacionamento pleno.

    O que são estas duas faixas na pista?

    Nós somos chamados de Judeus, mas qual a etimologia da palavra ‘judeu’, vem da ‘judeulândia’? Não!

    Judeu vem de Yehudá (Judá), porem a palavra Yehudá (Judá) vem da raiz hebraica Iadá que significa ‘Agradecer’ (ser grato) a D-us. (Genesis 29:35)

    Nós somos o povo que ‘sai agradecendo a D-us’, nós entramos em Rosh Hashaná sendo gratos a D-us e agradecendo por mais um ano de vida.

    Agradecendo todas as nossas bênçãos na vida, olhando pra todas elas. Estamos vivos, estamos juntos, somos Yehudimjudeus.

    Porem, por outro lado… Nós podemos ter tido um ano amargo, cheio de dificuldades e dor, lutas sem fim, um ano desafiador e etc. Na nossa vida ou talvez vendo pessoas ao nosso redor com estes problemas.

     

    Mas, olhe! Nós somos chamados de Judeu (Yehudi), mas também somos chamados de Benei Israel – Os Filhos de Israel.

     

    O que a palavra Israel significa? Significa ‘Lutar (Sarita) com D-us’.  (Sarita literalmente significa levantar poeira de tanta luta)

    Jacó lutou com O Anjo do S-nhor e seu nome foi mudado para Israel (Aquele que luta com D-us e as pessoas e prevalece) Genesis 32:28

    Sim! Nós somos o ‘povo que sai agradecendo’ à D-us, somos Judeus. Porem também nós somos o ‘povo que peleja’ com D-us. (Israel). E podemos ser assim ao mesmo tempo.

    Quando passamos pela porta de nossa casa, passamos pela Mezuzá no umbral de nossas portas. O que está lá dentro? Um pergaminho com o ‘Shemá’ – ‘Escuta o Israel Adonay é nosso D-us Adonay é Um’… UM. D-us é UM.  (Deuteronômio 6:4-9, Lucas 10:25-28)

    A unicidade que nos traz a capacidade de amar a D-us, sentir o amor de D-us sem dualismos, sem divisão com todas as bênçãos, e gratidão a D-us, mas também convivendo com todas as lutas, com as dores, desafios, decepções e etc.

    Todo este pacote vem de uma só fonte, do El Shaday (Todo Poderoso) (Isaías 45:7). E tudo isto vem pra o nosso bem.

    Está é a sabedoria desta época do ano, estamos entrando nas grandes Festas separadas por D-us, este é o seu dia com D-us, estaremos coroando D-us como O Rei em nossas vidas, porque somos seus servos, isto é relacionamento. Mas este relacionamento não é sempre fácil. Mas está aqui para nós.

     

    E tudo isto é um lembrete para lembramos que; está tudo bem, não há problema ter a alegria e gratidão junto com as lutas e problemas na vida, não está errado ter as bênçãos junto com as dores que a vida nos traz.

     Shaná Tová (Feliz ano novo) que neste ano 5773 D-us possa lhe conceder sabedoria pra entender todas estas coisas que nos assolam na vida, mas também que nos fazem suspirar de alegria e felicidade, pois ambas, amigos, vem da mesma Fonte, pois não há nada alem do Rei do rei dos reis. El Elion (D-us Altíssimo Pai do nosso Senhor Yeshua HaMashiach)

    Que seu nome e dos seus sejam inscritos no livro da Vida.
    Estes serão chamados os Benei El Haiבנין אל חי
    Filhos do D-us Vivo (Romanos 9:25-26, ósseas 1:10 , 2:23).
     Deleito-me em fazer a tua vontade, ó D-us meu; Sim, a tua Torá está dentro do meu coração.
    Tenho proclamado boas-novas (em grego Evangélion) da justiça na (Kahal Gedolá) Grande Congregação (Ekklesia – Igreja):
    – Salmo 40:8
     Porque o desprezo e violação da Torá (Lei) já têm operado agora em segredo, e é apenas impedido de revelar-se
    até que venha o que está no centro (desta operação).
    E então se revelará o destituído e inimigo da Torá (Lei), o qual Adonay consumirá com o Ruach (Sopro – espírito) da sua boca,
    e anulará (porá um fim) a força da manifestação da sua vinda.
     O qual (Anticristo – Armilus – o homem da anomia), a vinda é de acordo com a obra de HaSatan (O Opositor)
    com todo tipo de poderes e sinais e prodígios enganosos (falsos).
    E também em todo o tipo de engano de injustiça nos que perecem,
    pois não receberão a Chesed ve’Emet (Graça e a Verdade) para alcançarem Geulá (Salvação /redenção)
     E, por isto, D-us enviará para eles a operação do erro (desvio),
    para acreditarem na mentira (verdades, mentiras que parecem ser verdades).
    A fim de que sejam julgados todos estes que não acreditaram na verdade,
    mas tiveram o seu prazer (pareceu bem para eles estar) na injustiça. (anomia – fora da lei)
    2º Tessalonicenses 2:7-11.

Visualizando 2 posts - 1 até 2 (de 2 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.