Tu B’Shevat – ט״ו בשבט‎

Home Fóruns Fórum Yeshua Chai Soando o Shofar Tu B’Shevat – ט״ו בשבט‎

Este tópico contém 1 resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  sofer 7 anos, 1 mês atrás.

Visualizando 2 posts - 1 até 2 (de 2 do total)
  • Autor
    Posts
  • #24247

    sofer
    Participante

    Celebração de Tu B’Shevat dia 08 de Fevereiro /2012

    ט״ו בשבט‎

    Tu B’Shevat

    וכל עצי השׁדה ימחאו כף

    …Todas as árvores do campo baterão palmas

    Isaias 55:12

    Tu B’shevat (15° do mês bíblico Shevat) é conhecido como o “ano novo” das árvores, celebrado em todo o Israel como

    o Dia Nacional da Árvore.

    A Torá nos ensina que D-us tem um carinho especial pelas árvores. Por exemplo, considere algumas leis na Torá.

    Pode acontecer que vocês fiquem cercando uma cidade muito tempo e que demorem a conquistá-la. Nesse caso, não derrubem as árvores frutíferas que houver ali. Comam dos frutos, mas não cortem as árvores; será que elas são gente, para que vocês as destruam? Deuteronômio 20:19.

    Note a frase ‘será que elas são pessoas’ Ki haAdam etz há-sadê, a qual sugere que deste que elas são incapazes de fugir da aréa da cidade e escapar da guerra, eles deveriam mostrar amor por elas. Você também pode ler em outros versos das escrituras sagradas a respeito do carinho de D-us pelas árvores em Salmo 1:3, 92:13-16, 96:11-13 e etc.

    Quando havia o Beit Hamikadesh (Templo) em Jerusalém Tu B’shevat era o dia em que os primeiros frutos das árvores eram dizimados e oferecidos no Templo (Talmud Trat. Rosh hashana).

    Todos os dízimos do campo, da semente do campo, do fruto das árvores, são do S-nhor, são separados ao S-nhor. Levitico 27:30.

    Estes dízimos diferem de ano para ano no ciclo Shemitá de sete anos; o ponto no qual o rebento dos frutos das árvores é considerado como pertencendo ao próximo ano do ciclo que é ‘15 de Shevat’.

    (Lembre-se biblicamente os dízimos são produtos hortifrutigranjeiros e nunca dinheiro.)

    No Século 17 os Judeus Cabalistas da cidade de Safed em Israel desenvolveram um ‘Seder’ (“lanche”) baseado na interpretação de Deuteronômio 20:19 no qual nós lemos; ‘Ki há-Adam etz há-Sadê’ –‘O Ser humano é como a Árvore no Campo’.

    Então 4 copos de vinho divididos entre vinho branco e vinho tinto e rose durante o Seder (“lanche”), simbolizando as 4 estações na Terra.

    Os 7 Tipos de frutos que são destacados na Torá em seu louvor à fartura da Terra Santa: trigo, cevada, uvas, figos, romãs, azeitonas e tâmaras. Eles também eram comidos neste Seder.

    Pois o S-nhor teu D-us está te levando a uma boa terra: … Uma terra de trigo, cevada, uvas, figos e romãs: uma terra de oliveiras que emana azeite e tâmara (Mel). Deuteronômio 8:8

    A Árvore da Vida é a chave metafórica no pensamento cabalístico, sendo um símbolo para o Ser humano e a Torá.

    Se “o homem é como uma árvore do campo” e o fruto é a maior realização da árvore, por isto foi ensinado pelo nosso Messias: Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada ao fogo. Pelos seus frutos os conhecereis.

    Nem todo aquele que me diz: Adoni, Adoni, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Adoni, Adoni, não pregamos nós no seu nome, e não foi em seu nome que expulsamos os demônios e fizemos muitos milagres? E, no entanto, eu lhes direi: Nunca conheci vocês. Saiam de perto de mim, gente contra a Torá (anomos – iníquos) !

    Iniqüidade é anomia no grego, significa gente que vive sem Lei (nomos – Torá)

    Uma pessoa só pode dar frutos se ela fizer a vontade do Pai e esta vontade está expressa na Sua Torá (Lei) através dos seus mandamentos.

    Considere: Mas o empregado respondeu: “Senhor, deixe a figueira ficar mais este ano. Eu vou afofar a terra em volta dela e pôr bastante adubo. Se no ano que vem ela der figos, muito bem. Se não der, então será cortada.”

    Mateus 13:6-9

    E considere aqueles que amam a Torá de D-us.

    O prazer deles está na Torá (lei) de Adonay, e nessa Torá (lei) eles estudam de dia e noite. Essas pessoas são como árvores que crescem na beira de um riacho; elas dão frutas no tempo certo, e as suas folhas não murcham.

    Salmo 1:2-3 –

    serão como árvores que Adonay plantou para mostrar a todos a sua glória. Isaias 61:3

    É ensinado no Talmud pelos nossos Rabinos: ‘uma pessoa na qual sua sabedoria excede suas boas obras é comparado como uma árvore que seus galhos são numerosos, mas sua raiz não é profunda. O vento e a tempestade vêm e a arrancam do solo fazendo-a cair. Mas uma pessoa na qual suas boas obras excedem sua sabedoria é comparada a uma árvore em que os galhos são poucos, mas sua raiz é profunda. Mesmo que venha o vento e a tempestade não poderiam arrancá-la de seu lugar. (Talmud – Pirkei Avot 3:32)

    Estudar e conhecer as escrituras são extremamente importantes com o fim de praticá-la.

    Há um comentário do Rabi Obadias Sforno (1470–1550 – Itália) sobre gênesis 1:1; ‘No principio’… Mas no principio de que? O principio do Tempo como diz Rabi Sforno.

    As árvores nos ajudam compreender o conceito de Tempo, quando plantamos uma arvore demonstramos ter esperança, não somos imediatistas, como dizem nossos sábios relacionamos com o tempo de uma forma que possamos ter um amadurecimento pessoal.

    Nossos sábios Rabinos também dizem que há três caracterizas de frutos que podemos relacionar conosco.

    Há os frutos que são os frutos em sim tais como o morango, há outros que tem o fruto, mas dentro de si há o caroço tais como a azeitona e a os frutos que tem a casca dura e o fruto se encontra dentro dele, tais como a noz.

    Também na nossa vida “espiritual” temos estes três tipos de fruto, na esfera do pensamento tudo é muito simples tal como o fruto que é fruto em si (ex:morango), mas nas esferas da emoções quando chegamos na profundidade temos o caroço que temos que tirar tal como na azeitona.

    E quando o desejo baixa das esferas do pensamento e das emoções e chega ao mundo concreto há uma casca dura a ser quebrada para que se usufrua como em uma noz.

    Estes três tipos de frutos nos são três desafios em nossas vidas.

    Nossos Sábios Rabinos do Talmud nos contam uma história interessante:

    Uma vez Honi Hamagel estava caminhando e ele viu um homem plantando uma Alfarrobeira. Honi perguntou a ele ‘quanto tempo vai demorar para que esta árvore dê frutos?’ O homem respondeu; ‘setenta anos’.

    Honi então perguntou; ‘você acha que você viverá setenta anos para usufruir destes frutos?’ O homem respondeu; ‘quando eu vim para este mundo já haviam árvores plantadas. Assim como meus pais plantaram aquelas árvores pra mim, também eu farei o mesmo para os meus filhos e netos. ’ (Talmud. Taanit 23ª)

    Está linda historia representa o conceito do Tikum Olam – (A restauração de todas as coisas). Ao celebrar a presença das árvores em nossas vidas ao plantar novas árvores, nós cooperamos com D-us em ‘cuidar do jardim’ da linda Terra.

    Na verdade D-us criou as arvores do campo para ‘baterem palmas’ em celebração da sua gloria (Isaias 55;12), e ao plantar novas árvores nós participamos na musica da vida que sempre é entoada para a gloria de D-us.

    Está história também nos ensina que devemos deixar ao para nossos filhos e netos para que eles desfrutem, seja sabedoria, estudo, propriedades e etc. É sábio fazer isto para que suas gerações futuras não caiam em miséria e desgraça.

    כי האדם עץ השׁדה

    ‘Ki há-Adam etz há-Sadê’ –‘O Ser humano é como a Árvore no Campo’

    Assim como a árvore necessita de solo, água, ar e a luz do sol, assim também é o ser humano. A pessoa necessita estar enraizada “espiritualmente” no solo que é a Torá e as escrituras, assim ela estará conectada com o alimento celestial.

    A água para a pessoa é a sabedoria dos ensinamentos na Torá, como foi tido por Moises: ‘Que o meu ensino seja como a chuva que cai’ deuteronômio 32:2.

    O Ar é como o próprio nome já disse o ‘espírito – Ruach’ Santo que nos dá o sopro da vivacidade. Como disse o Rei David: ‘não retires o teu Santo Espírito de mim’. Salmo 51:11.

    A Luz do Sol é o Messias filho do D-us vivo a nossa esperança, salvação e justiça como está escrito: ‘O Sol da justiça, trazendo salvação nas suas asas’ Malaquias 4:2 – ‘Eu sou a Raiz e a Geração de Davi, a brilhante Estrela da manhã.’ Apocalipse 22:16.

    Muitas famílias judaicas cantam o Salmo 128 a cada noite para antes de dormir. Aqui está o Salmo inteiro:

    1- Asherei (Vá em frente com alegria) aquele que teme Adonay e anda nos seus caminhos!

    2- Do trabalho de suas mãos comerá, feliz você será, e tudo irá bem pra você.

    3- Sua esposa, no interior de sua casa, será como a videira frutífera; seus filhos, como rebentos da oliveira,

    à roda da sua mesa.

    4- Eis como será abençoado a pessoa que teme Adonay!

    5- Adonay te abençoe desde Tzion, para que vejas a prosperidade de Jerusalém durante os dias de tua vida,

    6- vejas os filhos de seus filhos. Paz sobre Israel!

    O versículo 1 é geral enquanto versos 2 e 3 são dirigidos para nós.

    Em seguida, o versículo 4 é geral enquanto versos 5 e 6 novamente dirigirem-se á nós.

    O primeiro verso apresenta uma regra geral. Felicidade e Temor a D-us estão interligados.

    Os versos 2 e 3 dirigem-se a nós diretamente: você trabalhará de forma produtiva e coisas irão bem para você e para sua família.

    O verso 4 nos dá outra regra geral: O temor a D-us é o que “lança” a bênção.

    Então os versos 5 e 6 informar-nos que D-us abençoará da antiga fonte das bênçãos, Zion (Sião) e Jerusalém. Não só você irá ser abençoado, há uma promessa de alegria e bênçãos futuras para os seus descendentes.

    O interessante que na Cabalá é ensinado que no próprio verbo da palavra para Bênçãos – Barech propriamente dito. Cada Letra hebraica tem um valor numérico.

    As três letras hebraicas que compõe o verbo abençoar – Barech são as únicas letras cujo valor numérico e o dobro da que a precede no alfabeto hebraico.

    Em outras palavras elas sugerem um efeito de multiplicação, nos é ensinado na cabalá, temendo a D-us e andando em seus caminhos lança as bênçãos sobre nós e nossos descendentes a cada geração se multiplicando.

    As potentes bênçãos dadas para Filhos de Abraão, Isaac e Jacó, ainda ecoam através de gerações.

    No Shabat o passado, presente e futuro tornam-se uma única dimensão, onde podemos iniciar nossa viagem caminhando pelas avenidas celestiais (Netivot).

    Literalmente “Viajando sem se mover” e é por está razão que o Shabat é chamado atemporal (o Reino Milênial e Eterno).

    Há Vários Minhagim – Costumes associados com Tu B’Shevat incluindo os abaixo:

    Participar e organizar um Seder (lanche) de Tu B’Shevat. Que contem os diversos tipos de vinho, rose, tinto e branco e também com cereais, trigo, figos, tâmaras, uvas, Pães e etc.
    Comer diferentes tipos de frutos nativos de Israel e recitar a benção ‘borei pri há-etz’ e ‘Shehechiyanu’
    Fazer doações e ofertas a instituições em Israel e Judaicas
    Plantar uma árvore
    Plantar uma ‘Salsinha’ (Erva Amarga) para usar no Seder de Páscoa.
    E Etc.

    אָנֹכִי הַגֶּפֶן גֶּפֶן אֱמֶת וְאָבִי הַכֹּרֵם׃

    Eu sou a videira verdadeira e o meu PAI é o Senhor da Videira João 15:1.

    Chaverim (Amigos) a verdadeira Fé ri das impossibilidades.

    #24782

    sofer
    Participante

    up

Visualizando 2 posts - 1 até 2 (de 2 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.